Menuidioma

Meio ambiente e governança global serão debatidos no Nethis

  • 11 de Junho de 2013

Padre jesuíta e professor de Bioética na Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos) e da Universidade de Brasília (UnB), José Roque Junges, estará no III Ciclo de Debates sobre Bioética, Diplomacia e Saúde Pública

Mostrar a interface entre proteção ambiental e governança global e explicitar como essas relações estão presentes na Declaração Universal de Bioética e Direitos Humanos da Unesco (DUBDH) e na Declaração Rio+20 – O futuro que queremos, será a palestra do professor de Bioética na Unisinos e na UnB, José Roque Junges, que além de padre jesuíta, pesquisa a relação entre Bioética, Saúde Coletiva e Meio Ambiente. Junges estará no III Ciclo de Debates do Núcleo de Estudos sobre Bioética e Diplomacia em Saúde (Nethis/Opas/UnB/Fiocruz), no dia 27 de junho, no Auditório Interno da Fiocruz Brasília. Os participantes receberão certificados.

Clique aqui para fazer a sua inscrição.

Junges ministrará a palestra “Meio Ambiente e Governança Global: da Declaração Universal sobre Bioética e Direitos Humanos ao pós-Rio+20”. “Vou mostrar as aproximações, avanços e diferenças entre os dois documentos. Apontar os desafios éticos globais que a proteção ambiental implicará para o futuro. E explicar que não pode existir proteção ambiental sem governança global e sem justiça ambiental”, afirma Junges.

Acesse aqui o curriculo lattes do paletrante.

O coordenador do Programa de Promoção da Saúde, Ambiente e Trabalho (PSAT/Fiocruz), Jorge Machado, participará do debate.

Declaração Universal sobre Bioética e Direitos Humanos (2005)
A DUBDH trata das questões éticas relacionadas à medicina, às ciências da vida e às tecnologias associadas quando aplicadas aos seres humanos, levando em conta suas dimensões sociais, legais e ambientais. Tem como princípio a dignidade humana e os Direitos Humanos. Permite também, orientar as decisões ou práticas de indivíduos, grupos, comunidades, instituições e empresas, públicas e privadas, embora não tenha força de lei. A Declaração foi aprovada por 191 países membros da Organização das Nações Unidas.

Declaração Rio+20 – O futuro que queremos
O documento excluiu os detalhes sobre repasses financeiros, imposição de cifras, criação do fundo para o desenvolvimento sustentável, especificações sobre economia verde e transferência de tecnologia limpa. Também não foi aprovada a ideia de transformar o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) em uma agência especializada, embora o texto tenha estipulado seu fortalecimento. “Nós admitimos a necessidade de levar adiante o desenvolvimento sustentável em todos os níveis, integrando seus aspectos econômicos, sociais e ambientais”. Este é um dos princípios fundamentais do documento.

Serviço:
Tema: “Meio Ambiente e Governança Global: da Declaração Universal sobre Bioética e Direitos Humanos ao pós-Rio+20”
Data: 27 de junho de 2013
Horário: 8h30 às 12h
Local: Auditório do Bloco Educacional (1º Andar) – Fiocruz Brasília – Avenida L3 Norte, Campus Universitário Darcy Ribeiro, Gleba A, SG 10 (atrás do HUB).
Informações: (61) 3329 4752.