Menuidioma

Enfrentamento de doenças crônicas é tema de debate no Abrascão 2015

  • 31 de Julho de 2015

As iniciativas de combate ao tabaco, álcool e presença de sódio na alimentação foram discutidas na mesa redonda intitulada “Doenças Crônicas e Regulação Estatal de Produtos de Uso Humano no Contexto das Desigualdades Internacionais em Saúde”, na tarde do dia 30 de julho, no Abrascão 2015, em Goiânia. A mesa foi proposta pelo Núcleo de Estudos sobre Bioética e Diplomacia em Saúde (Nethis/Fiocruz Brasília) e coordenada pela pesquisadora da Universidade Federal de Minas Gerais, Sandhi Barreto.

deborah malta

Deborah Malta (MS)

Participaram como palestrantes a coordenadora geral de Vigilância de Agravos e Doenças Não-Transmissíveis do Ministério da Saúde, Deborah Malta, o assessor da Fiocruz Brasília, José Agenor Álvares, e o coordenador do Nethis, José Paranaguá de Santana.

agenor abrascao

José Agenor Álvares (Fiocruz Brasília)

Deborah Malta apresentou um panorama das ações do Brasil na regulação do tabaco, os recentes avanços no combate à venda de álcool para menores de 18 anos e o consumo de álcool por motoristas, além de apresentar a meta para a redução de sódio em diversos alimentos disponíveis nas prateleiras dos supermercados.

José Agenor Álvares chamou atenção para o lobby das indústrias alimentícias, de tabaco e de álcool, o trabalho da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para retirar os aditivos dos cigarros e a história da regulação no Brasil e em outros países. A doença da folha verde, que acomete as famílias de produtores de tabaco, também foi comentada pelo assessor da Fiocruz Brasília.

paranagua

José Paranaguá de Santana (Nethis/Fiocruz)

O Programa de Pesquisa e Comunicação, desenvolvido pelo Nethis, foi apresentado por Paranaguá, que defendeu a ação do Estado na regulação da produção industrial para conter a epidemia de doenças crônicas no mundo. “As autoridades sanitárias de todo o mundo estão cientes de que é imperioso mudar os pontos nevrálgicos desta cadeia patogênica que liga as indústrias, de um lado, e o trabalhador e o consumidor, de outro, indo desde a produção de certas commodities ao conteúdo das mensagens de propaganda desses produtos”, disse. E ressaltou que a definição de políticas deve ser considerada em âmbito internacional, já que se tratam, em geral, de grandes empresas multinacionais.

Acesse a apresentação de Deborah Malta.
Acesse a apresentação de José Agenor Álvares.
Acesse a apresentação de José Paranaguá de Santana.