Menuidioma

Nethis promove debate sobre saúde em regiões de fronteiras

De acordo com a Organização das Nações Unidas (ONU), a América Latina e o Caribe enfrentam uma crise migratória sem precedentes: são mais de 3 milhões de pessoas que deixaram a Venezuela até o momento; 50% dos refugiados e migrantes venezuelanos apresentam alguma vulnerabilidade, seja em função de idade, gênero ou saúde. Diante de cenários como esse, quais são os desafios para os sistemas locais de saúde? Esse é o tema do X Ciclo de Debates sobre Bioética, Diplomacia e Saúde Pública que discutirá “Saúde com Ponte para Integração”, no dia 22 de agosto, a partir das 14h, no Auditório Interno da Fiocruz Brasília.

Inscreva-se aqui. As inscrições são gratuitas e os presentes receberão certificado de participação emitido pela Escola Fiocruz de Governo (EFG) da Fiocruz Brasília.

O pesquisador da Fiocruz Daniel Soranz apresentará um panorama da atenção primária no mundo e as perspectivas para o sistema de saúde brasileiro. “Há uma discussão, por exemplo, sobre a necessidade de atualizarmos nosso cadastro de pacientes atendidos pelos médicos de família”, explica Soranz.

Segundo ele, os números oficiais apontam que cada médico de família brasileiro da atenção primária fica responsável pelo atendimento de uma população de cerca de 3 mil pacientes. Quando na realidade, estima-se que, na prática, sejam 1,5 mil pacientes por médico. “Se assim for confirmado, estaríamos com números semelhantes a países da Europa”, explica o pesquisador.

Participam da sessão a pesquisadora em Saúde Pública do Instituto Evandro Chagas (IEC) Tânia do Socorro Chaves e o assessor da Fiocruz Brasília José Agenor Alvares da Silva, que coordenará a mesa de debate.

Agenda 2º Semestre
Os sistemas locais de saúde, os componentes de vigilância em regiões de fronteira, as perspectivas para a saúde na região das Américas e a confluência da diplomacia com saúde no contexto da globalização serão discutidos ao longo deste semestre.

“Vamos discutir experiências e perspectivas para a saúde nas regiões de fronteiras. Quando há um aumento no fluxo de pessoas nas faixas de fronteira, as desigualdades entre as comunidades limítrofes podem se agravar”, explica o coordenador do Núcleo de Estudos sobre Bioética e Diplomacia em Saúde (Nethis/Fiocruz Brasília), José Paranagua Santana.

Serviço
X Ciclo de Debates sobre Bioética, Diplomacia e Saúde Pública
Quanto: Gratuito
Local: Auditório Interno – Fiocruz Brasília
Horário: 14h
Datas:

X Ciclo de Debates – O Ciclo de Debates é promovido pelo Núcleo de Estudos sobre Bioética e Diplomacia em Saúde (Nethis/Fiocruz Brasília). A Organização PanAmerticana da Saúde (Opas) apoia a realização das sessões. Acesse as sessões anteriores aqui.