Pesquisa em doenças negligenciadas deve ser orientada à prevenção e aos cuidados

  • 12 de Abril de 2021
Os possíveis caminhos para o avanço das pesquisas em doenças negligenciadas no Brasil serão discutidos pelo pesquisador Guilherme Werneck no XI Ciclo de Debates que acontece em 22 de abril

As pesquisas em doenças negligenciadas devem ser pautadas pela busca de soluções práticas de prevenção e cuidado, mas sem deixar de lado o desenvolvimento de novos tratamentos e vacinas. É o que defende Guilherme Werneck, pesquisador do Instituto de Medicina Social da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), um dos palestrantes da próxima sessão do XI Ciclo de Debates: Doenças Negligenciadas, que será realizado em 22 de abril, às 14h.

Inscreva-se aqui no XI Ciclo de Debates.

As inscrições são gratuitas e receberão certificado de participação da Escola de Governo Fiocruz Brasília aqueles que preencherem o formulário de frequência disponibilizado durante a transmissão do debate.

Doenças negligenciadas: agenda de prioridades

Segundo Werneck, é fundamental a manutenção de uma agenda de prioridades que fomente pesquisas para a implementação de ações preventivas para a população e para o desenvolvimento de tecnologias de cuidado do paciente, desde a atenção básica até a hospitalar.

De acordo com ele, o estímulo à internacionalização de grupos de pesquisa e programas de pós-graduação é uma das estratégias que poderiam impulsionar os estudos em doenças negligenciadas no Brasil. Outra medida seria a modernização das estruturas acadêmico-administrativas das instituições de ensino superior, que dificultam o acesso a financiamentos por empresas, agências internacionais e doações.

Há uma necessidade urgente de mudanças nos rumos das pesquisas e para isso é essencial que, em primeiro lugar, seja reconhecida a importância desses estudos para o desenvolvimento social e econômico do país.” – Guilherme Werneck, Instituto de Medicina Social (UERJ)

Também participa da sessão José da Rocha Carvalheiro, pesquisador do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia de Gestão da Inovação em Doenças Negligenciadas (INCT-IDN). Em breve, traremos mais detalhes sobre o que Carvalheiro irá apresentar. O coordenador do Nethis, José Paranaguá de Santana, fará a moderação do debate.

Ciclo de Debates

O XI Ciclo de Debates sobre Bioética, Diplomacia e Saúde Pública é promovido pelo Núcleo de Estudos em Bioética e Diplomacia em Saúde (Nethis/Fiocruz Brasília). A Fundação de Apoio à Pesquisa do Distrito Federal (FAP-DF) apoia a realização das sessões.

Confira a programação completa do Ciclo de Debates para este semestre.