Medicamentos e vacinas: bens públicos globais

  • 11 de Fevereiro de 2021
Males do passado e novos tormentos se prenunciam com razoável chance de concretização no futuro próximo. A negligência com a saúde das populações não é uma questão recente, mas a progressiva ênfase no ganho de capital que transforma a saúde em mercadoria e cria consumidores para seus produtos representa uma novidade, cujo poder destruidor causa, a cada dia, maior preocupação. As consequências dessa tendência espalham-se por toda parte, sendo escandalosas no caso das doenças negligenciadas. O debate visa problematizar essas preocupações, com destaque para a participação da indústria de medicamentos e vacinas nas décadas mais recentes.
    Quinta-feira, das 9 às 12h

Pestes no Admirável Mundo Novo

    José Paranaguá de Santana, coordenador do Nethis/Fiocruz Brasília

Lucro e Solidariedade: desafios e oportunidades na construção do futuro

    Reinaldo Guimarães, Núcleo de Bioética e Ética Aplicada da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).
    Coordenação: José Agenor Alvares da Silva (Fiocruz Brasília)