Menuidioma

Ex-diretor da Ensp traça panorama da cooperação internacional

  • 3 de Setembro de 2013

Antônio Ivo de Carvalho fala sobre os desafios da cooperação entre os países do sul durante III Ciclo de Debates de Bioética, Diplomacia e Saúde Pública

A crise econômica global de 2007 agravou as desigualdades pré-existentes entre as populações. A intervenção no sistema financeiro internacional gerou a socialização dos prejuízos e a privatização dos lucros. Com isso, a crise culminou em 65 milhões de pessoas sem emprego e desencadeou oportunidades para os países emergentes, como o Brasil, para reivindicar espaço em fóruns e conselhos internacionais. A síntese de como reemergiu a Cooperação Sul-Sul foi apresentada pelo ex-diretor da Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca (Ensp) Antônio Ivo de Carvalho no dia 29 de agosto, na Fiocruz Brasília.

Carvalho participou do III Ciclo de Debates de Bioética, Diplomacia e Saúde Pública com a palestra Desenvolvimento e Desigualdades: cenários e perspectivas para a saúde no mundo. O palestrante ressaltou a importância da definição da Cooperação Sul-Sul como modelo de cooperação horizontal, refutando a Cooperação Norte-Sul, denominada vertical, em que os países do norte determinam como se dará a ajuda. No caso da Cooperação Sul-Sul, a ideia é construir em conjunto o apoio, com a finalidade de empoderar o país receptor, em uma troca que pretende desenvolver as potencialidades dos países.

O pesquisador ressalta que muitos desafios surgem da cooperação entre países do sul como, por exemplo, as enfermidades típicas de países de padrão de alto consumo que ocorrem também em outras nações. “O paradoxo entre obesidade e desnutrição é um exemplo. Fatores sociais aumentaram o risco de doenças que antes eram pontuais e, agora, são globais”, explica Carvalho.

Outro desafio é a pouca atenção às doenças negligenciadas – que afligem os países pobres – já que a regulação fica à mercê do mercado e das empresas. “É o império das patentes em detrimento dos interesses dos pacientes. Daí a necessidade da solidariedade internacional para o enfrentamento dos riscos e adversidades em saúde”, critica o ex-diretor da Ensp.

A palestra também faz parte da grade curricular do Curso de Atualização em Políticas Públicas de Cooperação Internacional em Saúde em Perspectiva Bioética, que ocorrerá até dezembro de 2013 com atividades à distância.

Confira AQUI mais detalhes sobre a aula de Antônio Ivo de Carvalho.