Menuidioma

Começa o 15º Americas Model United Nations – AMUN

  • 24 de Julho de 2012

Estudantes estarão reunidos na FIOCRUZ Brasília até dia 27 de julho para discutir o tema Desenvolvimento e Liberdade – empoderando pessoas, desenvolvendo nações

Cerca de 300 pessoas compareceram à cerimônia de abertura do 15º Americas Model United Nations (AMUN) – simulação da Conferência da Organização das Nações Unidas (ONU) feita por estudantes – na última segunda-feira, dia 23, no Auditório da Procuradoria Geral da República (PGR). Até dia 27 de julho, a Escola de Governo em Saúde da FIOCRUZ Brasília (EGS) sedia a “mini ONU”.

O diretor do Instituto de Relações Internacionais da Universidade de Brasília (UnB), Eiiti Sato, acompanha as simulações desde a primeira edição do AMUN. “Sinto-me muito honrado em poder participar de todos os processos para a execução do AMUN. Esta é uma excelente oportunidade para vocês exercitarem o que aprendem na teoria”, disse Sato para a plateia de estudantes, durante a abertura.


Alejandra Carrillo (Nethis), Jorge Chediek (ONU), João Sigora (AMUN), Andreas Ferrarese (Itália) e Eiiti Sato (UnB)

Além do diretor, a mesa foi composta pelo secretário-geral do AMUN e estudante do último semestre de Relações Internacionais da UnB, João Sigora, pelo coordenador da ONU no Brasil, Jorge Chediek, pelo encarregado de negócios da Embaixada da Itália no Brasil, Andreas Ferrarese, e pela pesquisadora do Núcleo de Estudos sobre Bioética e Diplomacia em Saúde (Nethis – Fiocruz/UnB/OPAS), Alejandra Carrillo, representante da Fiocruz. A banda dos Dragões da Independência recebeu os convidados com animação e tocou o hino nacional brasileiro.

Alejandra destacou a função pedagógica e social do evento, além de ser um espaço para reflexão dos futuros profissionais. “Vocês ocuparão diversas posições no campo profundamente globalizado de Relações Internacionais. Refletir sobre um mundo globalizado mais integrado nos prepara para enfrentar os desafios que espreitam o futuro da humanidade em que a cooperação internacional ocupa uma posição de destaque no relacionamento entre os povos”, disse.

Alejandra citou os projetos da Fiocruz relacionados à cooperação internacional, principalmente cooperação Sul-Sul, com países membros da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa e América do Sul e Caribe. “Nesses projetos incluímos a saúde na pauta das negociações internacionais brasileiras, a diplomacia da saúde”, disse.

O coordenador da ONU no Brasil, Jorge Chediek, comentou que o tema do AMUN, Desenvolvimento e Liberdade – empoderando pessoas, desenvolvendo nações, tem compatibilidade com a agenda do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). “O primeiro relatório sobre desenvolvimento tinha uma abordagem profundamente economicista, em que o relevante era o crescimento econômico. Agora, a noção de desenvolvimento está ligada mais a temas sociais. Uma mostra disso são os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio”, disse.

ATIVIDADES – Durante a semana, estudantes de Relações Internacionais e Direito de universidades brasileiras e de outros países ocupam o lugar de diplomatas, técnicos ou juízes para discutir o tema do evento em seis comitês: Corte Internacional de Justiça; Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento; Reunião Anual do Fundo Monetário Internacional e do Banco Mundial; Conselho de Direitos Humanos; Conselho de Segurança; e Cúpula Mundial da ONU sobre Corrupção. O idioma oficial do AMUN é o inglês.

INICIATIVA – O AMUN criou a primeira liga intercontinental de modelos da ONU no mundo, em parceria com a Universidade de Oxford, no Reino Unido, e a Universidade McGill, no Canadá, instituições que também simulam a conferência. A iniciativa foi lançada no sábado, 14 de julho. A liga pretende possibilitar um maior intercâmbio de delegados e ideias. 

Confira a programação do AMUN aqui.